Participe conosco: diálogo e reflexão! 01/12/2014

Conversas de Justiça e Paz - Convite

Nos dias 5 a 19 de outubro passado foi realizada no Vaticano a 3ª Assembleia Extraordinária do Sínodo dos Bispos, com o tema “Os desafios pastorais da família no contexto da evangelização”, que tinha sido convocada pelo Papa Francisco no dia 8 de outubro de 2013.

A Secretaria Geral do Sínodo deu início aos trabalhos mediante o envio do Documento Preparatório, um questionário com 8 grupos de perguntas relativas ao matrimônio e à família, dirigidas às Igrejas particulares, para que pudessem participar mais ativamente na preparação do Sínodo.

Este Documento suscitou uma vasta resposta eclesial, do qual resultou o Instrumentum Laboris, estruturado em três partes e nas 8 temáticas propostas no questionário. A primeira parte dedicada ao Evangelho da Família; a segunda aborda propostas de pastoral familiar, e a terceira parte é dedicada à abertura à vida e à responsabilidade educacional dos pais.

O Papa Francisco definiu um itinerário de trabalho em duas etapas, que constitui uma unidade orgânica: a Assembleia Extraordinária de outubro de 2014, onde os Padres sinodais avaliariam e aprofundariam os dados e sugestões enviados pelas Igrejas particulares, com a finalidade de enfrentar os novos desafios sobre a família, e a 14ª Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos de outubro de 2015, mais representativa do episcopado, para encontrar adequadas linhas de ação pastoral.

No mês de fevereiro desse ano, o Papa Francisco quis que uma primeira abordagem sobre o tema do Sínodo acontecesse no consistório extraordinário para criação de novos cardeais, quando o Cardeal Kasper proferiu uma palestra, definida como ouverture, em vista da Assembleia Extraordinária de outubro, sobre a qual muito se publicou nos meios de comunicação de todo mundo.

Durante a Assembleia Extraordinária foram publicados outros dois documentos: Relatio post Disceptationem (Relatório após as discussões), que é um documento de trabalho, que resume as intervenções e o debate da primeira semana e depois proposto à discussão dos membros do Sínodo reunidos nos Círculos menores, como previsto pelo Regulamento do mesmo Sínodo; e o Relatio Synodi, que é o relatório conclusivo, com o resultado dos votos favoráveis e contrários de cada um dos 62 parágrafos do texto, que recolhe muitas das 470 emendas apresentadas pelos Padres sinodais, reunidos nos círculos menores.

A imprensa deu muita cobertura sobre o tema desde o primeiro momento em que foi anunciado. Nota-se que há um grande interesse para saber por onde se move a Igreja Católica com relação a este tema da família e do matrimônio, tão importante para a sociedade.

O grande desafio hoje é como repropor às pessoas, em especial aos jovens, a beleza da família e a necessidade de vínculos definitivos e fiéis. A sociedade hodierna vai por outros caminhos. E a Igreja sabe que aqui se joga o futuro da humanidade.

Por outro lado, também a Igreja, como mãe, procura ir ao encontro das pessoas e famílias que no decorrer de sua caminhada foram machucadas pela vida e pela história.

O grande interesse é como anunciar o Evangelho hoje e também estar próximo destas pessoas que sofrem devido a tantas situações que a modernidade as conduziu. Uma das perguntas que se fazia na Assembleia era: como vamos transmitir uma mensagem de graça e de misericórdia sem negligenciar o magistério da Igreja? Como conciliar a doutrina com as necessidades pastorais?

De acordo com o Cardeal Dom Orani Tempesta, que esteve participando da Assembleia, o que o Papa Francisco espera do Sínodo: “um trabalho árduo em cima de um caminho de misericórdia, aplicado à crise humanitária mais urgente dos nossos dias, que é o fracasso epidêmico em viver o casamento e a família de maneira coerente com o autêntico florescimento humano. Há uma mudança de conceitos e de valores impressionante no mundo de hoje. Como agir nesse contexto sem deixar as verdades da revelação e, ao mesmo tempo, encontrando caminhos de proximidade daqueles que passam pelos ferimentos das batalhas da vida?”

O Prefácio do instrumento de trabalho desta Assembleia Extraordinária lembra: “Esta ênfase na misericórdia tem tido um grande impacto inclusive nas questões relativas ao casamento e à família, na medida em que, longe de qualquer tipo de moralismo, ela confirma a perspectiva cristã sobre a vida e abre novas possibilidades para o futuro, independentemente de limitações pessoais ou de pecados cometidos. A misericórdia de Deus é uma abertura para uma contínua conversão e um contínuo renascimento”.

O tema da misericórdia está cada vez mais em primeiro plano como um ponto de vista importante no anúncio do Evangelho; a misericórdia não elimina a verdade e não a relativiza, mas leva a interpretá-la corretamente no contexto da hierarquia das verdades. “A misericórdia, portanto, tampouco anula os compromissos que nascem das exigências do vínculo matrimonial. Estes continuam subsistindo, inclusive quando o amor humano se debilitou ou cessou”, assinala o texto.

Confirme sua presença: 3223 3512/3213 3335