Dom Sergio Rocha: Pastor do Encontro e do Diálogo Profeta da Paz e da Justiça – 06/08/2016

Com o lema “Tudo na caridade” (ICor 16,14), há cinco anos, a Igreja de Brasília acolhia
o novo Arcebispo, dom Sérgio Rocha. Era a manhã do dia 06 de agosto de 2011. A Missa reuniu mais de 2.000 mil pessoas na Catedral Metropolitana para homenagear o novo pastor. Recorda-se na celebração de posse a presença da Nunciatura Apostólica, três Cardeais, 25 bispos, 200 padres, 69 diáconos. Marco que revelara como dom Sergio estaria em sintonia com o projeto de Igreja, traçado pelo Vaticano II, no diálogo com o processo histórico. Os “sinais dos tempos”, os conflitos e a corrupção política serviriam como base para seu projeto pastoral: paz, justiça, ética e caridade.

De perfil simples. Atitudes proféticas. Atento aos problemas sociais. Defensor da causa dos pobres. Trouxe ardor e renovação missionária com uma prática comprometida com os direitos fundamentais dos pobres, contra um sistema excludente. Articulador da experiência de fé e compromisso social. Dom Sergio ultrapassa os muros da Igreja.
Vai ao encontro da vida massacrada, sofrida e frágil. Cuida dos pequenos. Encontra-se com rostos desfigurados. Pastor do encontro e do diálogo. É solidário com a população de rua e com os imigrantes em Brasília.

A caridade para dom Sergio é comunhão e solidariedade. Abrange todas as relações com os semelhantes. Como papa Francisco, seu pastoreio e testemunho são de uma Igreja em saída. O Arcebispo da ética, do bem comum e do amor aos pobres.

Hoje, como Presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), é Profeta da paz e da justiça. Posicionou-se a favor da reforma política e contra a maioridade penal. Tem o papel questionador de profeta sem receio de desagradar o senso comum. Avalia a missão da Igreja: participar da política com base na ética e no bem comunitário, diferentemente dos interesses partidários. Assim pronunciou-se em entrevista ao Jornal Correio Braziliense.

Um homem de olhar de águia. Enxerga longe. Abraça o horizonte da vida. Rearticulou a missão da Comissão Justiça e Paz da Arquidiocese de Brasília. Implantou a I Caminhada da Paz. Envolveu 39 escolas católicas e as pastorais sociais. Levou para o Eixão Norte mais de 10 mil pessoas que caminharam juntos pela Paz!

Dom Sergio acredita na dimensão política. Diz que não há como contribuir com a construção da cidade, sem a política. Aspecto talvez, mais original: conclamar a Igreja de Brasília para estar nas reflexões que caminham junto com a história e iluminam a ação evangelizadora, realizada nas “Conversas de Justiça e Paz”, na primeira segunda- feira do mês, no auditório da Cúria Metropolitana. Faz propostas. Participa de iniciativas pastorais no âmbito da caridade, da justiça e da paz. Dom Sergio, pelo seu caráter eclesial e pela natureza da própria fé cristã, ajuda no enfrentamento de situações concretas, instituindo mecanismos de diálogo.

A primeira “Palavra do Pastor”, publicada no jornalzinho dominical, dia 07 de agosto de 2011, intitulado “Coragem! Sou Eu. Não tenhais Medo!” (Mt. 14,27) dom Sergio relata um tempo novo de presença em movimento, em saída, alinhada a fé com a vida.
Procura comunicar em meio às dificuldades da vida e aos desafios da missão, no episódio narrado pelo Evangelho. O discípulo não deve jamais desanimar, nem se desesperar, nas horas difíceis, refere dom Sergio, mas caminhar confiando no Senhor.
Isso tem levado a voz de dom Sergio conclamar toda a Igreja de Brasília e do Brasil para uma verdadeira ação evangélica diante dos desafios que afligem a Capital Federal e o País.

Com o cajado na mão, está comemorando cinco anos de bispado, atento aos acontecimentos da realidade, revelando as transformações de mudanças ocorridas. É significativo e visível o compromisso do pastor solidário nas Visitas Pastorais que vem realizando nas Cidades Satélites e no Plano Piloto, com população de rua e com os pobres, desde que desembarcou em Brasília, vindo de Teresina-PI.

Parabéns, Dom Sergio Rocha!

Obrigada pelo testemunho Profético e Missionário!

Por José Carlos Soares e

Ir. Núbia Maria da Silva

Assessoria de Comunicação e de Imprensa da

Comissão Justiça e Paz de Brasília