Sem categoria

A Conversa de Justiça e Paz, mês setembro, debateu a reforma política e ressaltou a importância do envolvimento da sociedade civil na discussão - 04/09/2017

A Comissão Justiça e Paz de Brasília (CJP) realizou, no último 04 de setembro, no Auditório Dom José Freire Falcão, mais uma edição das “Conversas de Justiça e Paz” do ciclo de 2017. O tema do encontro foi “Reforma política: o que você precisa saber”. A mesa, moderada pelo membro da CJP Mauro Noleto, foi composta pelos expositores convidados: Tereza Cruvinel, jornalista e ex-presidente da Empresa Brasileira de Comunicação (EBC) e José Antônio Moroni, membro do colegiado de gestão do Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc); além do Presidente da CJP, José Márcio de Moura, e do Padre Ernanne Pinheiro, representando a Arquidiocese.leia mais   clique aqui

Na Alemanha prossegue o novo 'esporte' neo-nazista: queimar abrigos destinados aos refugiados.

Flavio Aguiar, de Berlim.

Fotos PúblicasA crise financeira que se espraiou a partir da China e de sua economia que revelou suas fraquezas.

O assassinato ao vivo de dois jornalistas nos EUA, reacendendo debate sobre posse de armas naquele pais.
A recuperação, ainda que parcial, dos preços do petróleo no mercado internacional e a decorrente valorização das ações da Petrobras (que está longe de ser a massa alquebrada que nossa velha mídia quer que ela seja).
Correu mundo e manchetes a denúncia feita pelo doleiro Alberto Yousseff na CPI, em Brasilia, sobre ter o senador Aecio Neves recebido propina de Furnas. A noticia só foi escondida pela velha mídia brasileira. Além da denúncia em si, que deve ser averiguada e provada, o ocorrido expôs a parcialidade da nossa velha mídia e a fragilidade dos vazamentos da Operação Lava Jato.leia mais   clique aqui

Procedimento, tido como legítimo e comum no Congresso, tem sido criticado por analistas e já levou parlamentares a serem chamados de 'office boys'

Hylda Cavalcanti - Rede Brasil Atual

Brasília – Quanto menor é o nível de conhecimento dos parlamentares sobre o processo legislativo e maior a renovação das bancadas, assim como o comprometimento deles com o poder econômico, maiores são as chances de aproveitarem contribuições e subsídios encaminhados por empresas privadas e instituições diversas em seus projetos e emendas. Muitas vezes até, eles aproveitam os próprios textos literais, da forma como lhes são entregues. Esse tipo de procedimento, que tem chamado a atenção da Câmara dos Deputados nos últimos dias, nas votações de maior repercussão, ultrapassa a questão do lobby e passou a levar os autores destas matérias a serem conhecidos como “parlamentares que atuam como laranjas” da iniciativa privada e de entidades de classe.leia mais   clique aqui

O novo presidente da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), dom Sérgio da Rocha, ressaltou nesta sexta-feira (24) que a entidade católica tem o dever de se pronunciar sobre questões sociais e negou que tenha adotado postura político-partidária na discussão sobre a reforma política.

O apoio do PT a manifesto em defesa da reforma política, divulgado pela OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) e pelaCNBB, tem sido alvo de críticas nas redes sociais. A entidade católica tem sido acusada de ter se tornado favorável ao governo federal.leia mais   clique aqui

IMG_0106 (1)Na noite de 26/03/2015, na sede da OAB/DF ocorreu o debate "Instrumentos de combate à corrupção" com a presença do Corregedor Geral do Distrito Federal, Djacyr Arruda, do advogado baiano, Waldir Santos, do membro do ministério público junto ao Tribunal de Contas da União, Júlio Marcelo e do advogado brasiliense Antonio Carlos de Almeida Castro (Kakay). A coordenação dos trabalhos foi do membro da Comissão Justiça e Paz da Arquidiocese de Brasília e Diretor do Instituto de Direito e Controle da Administração Pública (IBDCAP) Melillo Dinis.leia mais   clique aqui