Notícias

1º presidente da CNBB: um homem no coração de Deus

Em outubro de 1952, com a permissão da Santa Sé, foi criada a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), na época a terceira conferência episcopal do mundo. Participaram da fundação da entidade diversos bispos, entre eles, dom Helder Pessoa Câmara e o cardeal Carlos Carmelo de Vasconcelos Motta.

A reunião de instalação da CNBB foi realizada no palácio São Joaquim, no Rio de Janeiro, onde ocorreu também a eleição da comissão permanente encarregada de dirigir a entidade. Foram escolhidos dom Alfredo Vicente Scherer, dom Mário de Miranda Vilas Boas e dom Antônio Morais de Almeida Júnior, sendo dom Helder Pessoa Câmara designado secretário-geral e o cardeal Carlos Carmelo de Vasconcelos Mota, então arcebispo de São Paulo, eleito o primeiro presidente da entidade, função que exerceu por dois mandatos.leia mais   clique aqui

Com informações da Rede Brasil Atual, Rádio Vaticano e Conselho Indigenista Missionário.

 “E vocês, em suas tradições, em suas culturas – porque o que vocês trazem na história é cultura – vivem o progresso com um cuidado especial pela mãe terra. Neste momento, em que a humanidade está pecando gravemente ao não cuidar da terra, eu vos exorto para que sigam dando testemunho disso e não permitam que novas tecnologias, que são lícitas e são boas, mas não permitam aquelas que destroem a terra, destruam a ecologia, o equilíbrio ecológico e que terminam por destruir a sabedoria dos povos” leia mais   clique aqui

JpegA Comissão Justiça e Paz de Brasília realizou, neste 03 de julho, no Auditório Dom José Freire Falcão, mais uma edição das “Conversas de Justiça e Paz” do ciclo de 2017. O tema deste encontro foi “Brasil: horizontes éticos e políticos para superar a crise”.

A mesa, moderada pelo membro da CJP Mauro Noleto, foi aberta com a exortação do Cardeal Dom Sérgio da Rocha, Arcebispo de Brasília e Presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB. Em sua exortação, Dom Sérgio enfatizou que, para além da crise política e econômica, vivemos também uma crise de valores, que nos leva a refletir sobre qual projeto de país e de nação queremos construir: “o momento de crise econômica e política tem se revelado como um momento de crise ética e por isso precisamos aprofundar ainda mais a reflexão sobre os horizontes de superação dessa crise”. Antes de passar a palavra aos expositores, a quem agradeceu a disponibilidade de colaborar com a reflexão proposta, D. Sérgio concluiu sua saudação com a certeza de que aquele encontro representava um “sinal de esperança” de que poderemos, sim, superar essa crise pelo diálogo e pela reafirmação dos compromissos éticos sem os quais as eventuais saídas políticas ou econômicas que se apresentem são insustentáveis.leia mais   clique aqui

“Mas, se pensamos a pessoa sem trabalho, dizemos algo parcial, incompleto, porque a pessoa se realiza em plenitude quando se torna trabalhador, trabalhadora; porque o indivíduo se faz pessoa quando se abre aos outros, à vida social, quando floresce no trabalho. A pessoa floresce no trabalho. O trabalho é a forma mais comum de cooperação que a humanidade gerou na sua história. ”

Papa Francisco

Confira aqui a nota: Nota CJP_Greve Geral 30 de junho

“Como a solidariedade, também a ética incomoda; ela é considerada contraproducente; como muito humana, porque relativiza o dinheiro e o poder; como uma ameaça, porque rejeita a manipulação e a submissão da pessoa. ”

Papa Francisco. Discurso aos embaixadores,
Sala Clementina no Palácio Apostólico do Vaticano
Quinta-feira, 16 de maio de 2013.

Convite_Conversa de Justiça e PazO país atravessa, mais uma vez, grave crise ética e política. Nem ainda completamos um ano do traumático processo de impeachment da Presidenta da República Dilma Roussef, e as multidões já retornaram às ruas, novamente em junho, mas dessa vez clamando por eleições “diretas já”. A cada nova (fase de) operação da Polícia Federal, a cada novo vazamento de interceptações telefônicas, a cada nova “delação premiada”, o enredo dos escândalos políticos ganha semanas ou até meses de novos capítulos fartamente editados e explorados pela cobertura midiática, gerando um ambiente de instabilidade social, política e econômica, cujos efeitos deletérios sobre o cotidiano da sociedade brasileira não tardam a se mostrar. Personagens políticos que antes acusavam, contritos, agora também são alvo de acusações com aparente farto material probatório.leia mais   clique aqui