Entrevistas

Migração no Brasil: inclusão do outro não é algo natural e automático, mas um trabalho de abertura.

Paulo Emanuel Lopes

Sem título
Irmã Rosita Milesi, referência nacional nos direitos dos povos migrantes. Crédito: arquivo pessoal \ redesul.am.br

Para a irmã Rosita Milesi, diretora do Instituto Migrações e Direitos Humanos (IMDH) e membro do Setor Mobilidade Humana da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), a atitude do governo brasileiro em relação à situação imigratória que o país vive desde 2010 é um ponto positivo na questão dos direitos humanos, "concedendo em muitos casos vistos humanitários para aqueles que não se preenchem os requisitos da definição de refugiado”. Entretanto, conforme já abordado na série de reportagens #MigraçõesAdital, não há mais como postergar a reforma da Lei de Imigração brasileira.leia mais   clique aqui

dom sergio

Dom Sergio da Rocha nasceu em Dobrada, no estado de S. Paulo, aos 17/10/1959. Foi ordenado diácono na Igreja de Santa Cruz de Matão - SP, aos 18/8/1984, e presbítero na Matriz do Senhor Bom Jesus de Matão - SP, Diocese de São Carlos, aos 14/12/1984.

Estudou Filosofia no Seminário de São Carlos - SP e Teologia na PUC de Campinas - SP. Licenciado em Filosofia pela Faculdade Salesiana de Lorena - SP. Fez Mestrado em Teologia Moral pela Pontifícia Faculdade de Teologia Nossa Senhora da Assunção, de São Paulo, e obteve o Doutorado na Academia Alfonsiana da Pontifícia Universidade Lateranense, em Roma, aos 21/01/1997.leia mais   clique aqui

ENTREVISTA COM HERMELINDA E ARTURO ZAMPERLINI

3443189495
O casal Hermelinda e Arturo Zamperlini, responsável pela Super Região Brasil das (ENS) –Equipes de Nossa Senhora, está casado há 41 anos, tem 3 filhos e uma neta.
Profissionalmente, ela trabalha como dentista em um consultório em São José dos Campos e ele é consultor técnico na empresa petroquímica Braskem. Hermelinda e Arturo assumiram em 1º de setembro passado esta responsabilidade pelas ENS, que é um Movimento internacional, presente em 78 países de todos os continentes, que se dedica a fomentar a espiritualidade conjugal, como um meio para ser feliz em casal e como família, e como um lugar privilegiado para viver o Evangelho. Existem no Brasil 3.567 equipes de casais, com a assistência espiritual de 1.851 sacerdotes. Ao todo, são cerca de 45.400 membros ligados ao Movimento no Brasil.
O casal participou como “casal auditor” da III Assembleia Geral Extraordinária do Sínodo dos Bispos sobre a Família em outubro passado.leia mais   clique aqui

A amizade entre Dom Helder Camara e Paulo VI teve reflexos para além da relação que ambos mantiveram ao longo de quase 30 anos. “Para ambos, o Concílio Vaticano II tornou-se uma missão”, e suas preocupações sociais repercutiram posteriormente no papado de Paulo VI, na encíclicaPopulorum Progresso e no desenvolvimento da Igreja brasileira durante o regime militar.

De acordo com Ivanir Rampon, autor do livro Paulo VI e Dom Helder Camara - Exemplo de uma amizade espiritual, recém lançado pela Editora Paulinas, “Dom Helder e Paulo VI eram abertos à ação do Espírito Santo em suas vidas, na Igreja, no mundo... E isto não era um discurso formal, mas um modo de ser, uma espiritualidade”.leia mais   clique aqui