Artigos

Correio Braziliense, edição de 14/4/2017

Opinião, pág. 11

20 anos da morte de Galdino Pataxó:

símbolo para tempos de intolerância

José Geraldo de Sousa Junior
          Membro da Comissão Justiça e Paz de Brasília

          José Márcio de Moura Silva
          Presidente da Comissão Justiça e Paz de Brasília

Em 19 de abril deste ano, o calendário simbólico brasileiro registra 20 anos da morte de Galdino Jesus dos Santos, o Galdino Pataxó. Natural da Bahia (1952), ele foi assassinado em Brasília, em 20 de abril de 1997. Da etnia pataxó-hã-hã-hãe, estava em Brasília por ocasião das comemorações do Dia do Índio, em 1997, e, com outras sete lideranças indígenas, levava suas reivindicações acerca da recuperação da Terra Indígena Caramuru-Paraguaçu, em conflito fundiário com fazendeiros da região (sul da Bahia). Depois de ter participado de reuniões com o então presidente Fernando Henrique Cardoso e com outras autoridades, com representantes de movimentos sociais de luta pela terra, entre eles o MST, por ser já muito tarde, não pôde entrar na pensão onde estava hospedado e resolveu dormir num abrigo de ponto de ônibus na avenida W3, Quadra 704 Sul.leia mais   clique aqui

Saneamento Básico:

Pobreza, Saúde e Meio Ambiente

Antonio Rocha Magalhães

CGEE – Centro de Gestão e Estudos Estratégicos. Ex-membro da CJP de Brasilia.

A Campanha da Fraternidade Ecumênica, de 2016, elegeu como tema a questão do Saneamento Básico. A escolha foi muito feliz, porque há poucos temas mais importantes para a vida humana do que o saneamento. Tanto do ponto de vista do mundo inteiro, de acordo com dados das Nações Unidas e do Banco Mundial, como no caso do Brasil especificamente ou de cada local, a questão do saneamento se sobressai como algo que se liga estreitamente à questão da pobreza, da saúde e do bem-estar das populações. A ligação com a pobreza é muito direta: os piores indicadores de saneamento básico – acesso à água potável, esgotamento sanitário e disposição de lixo – se encontram nas regiões e países mais pobres no Planeta. No Brasil, os piores indicadores estão nas regiões Nordeste e Norte e, especialmente, nas periferias pobres das cidades e nas zonas rurais.leia mais   clique aqui

Campanha da Fraternidade 2016: Por que discutir sobre saneamento básico?

José Geraldo de Sousa Junior

Membro da Comissão Justiça e Paz da Arquidiocese de Brasília.

José Marcio de Moura Silva

Presidente da Comissão Justiça e Paz da Arquidiocese de Brasília.

cfe_interna

                                                        

Tem início neste 10 de fevereiro, quarta-feira de cinzas, a 53ª Campanha da Fraternidade (CF), o mais destacado projeto de evangelização da CNBB. Não se incluem nessa seriação, as duas iniciativas regionais, promovidas pela Cáritas Brasileira, organismo da CNBB, desde a realização na Quaresma de 1962, em Natal (RN), da primeira atividade solidária que caracteriza a Campanha, ampliada nacionalmente ao impulso renovador do espírito do Concílio Vaticano II.leia mais   clique aqui